notícias

117 anos de um Gigante

Nesta data, 21 de agosto de 2015, comemoramos os 117 anos do Club de Regatas Vasco da Gama. Atualmente, a instituição desenvolve diversas práticas esportivas, com acesso a todos os gêneros, diferentes faixas etárias e a indivíduos com as mais variadas condições sociais. Dentre os esportes praticados, profissionais ou amadores, podemos citar os tão afamados remo e futebol, o atletismo, o futsal, o futebol americano, o futebol de praia (beach soccer), futebol paralímpico, futebol de mesa, a natação etc. Ademais, seus adeptos (sócios e torcedores) chegam ao patamar de milhões e são incontáveis as suas conquistas no esporte.
 

O grande diferencial do Vasco é o fato de, por vezes, suas ações ultrapassarem o modus operandi da prática esportiva em si e alcançarem as esferas sociais. A história do clube, em diferentes períodos, se entrelaça com a própria história do país e dialoga com algumas reivindicações das camadas menos favorecidas da sociedade. Devemos nos recordar que este clube, em 1923, foi o primeiro campeão carioca de futebol com jogadores negros e brancos pobres. Precisou enfrentar as rígidas regras preconceituosas da liga organizada pelas elites do Rio de Janeiro e optou por ficar ao lado de seus jogadores de origem humilde, negando-se a excluí-los a pedido da Associação Metropolitana de Esportes Athleticos, em 1924. Pedido este baseado em parâmetros racistas e de diferenciação social, que o Vasco nunca os aceitou, pois, preferiu trazer a lume, para o bem do futebol do Rio de Janeiro e do Brasil, a primazia da técnica por sobre questões fúteis empreendidas por outras agremiações.
 

É assaz necessário relembrarmos este fato por dois importantes motivos. Primeiro, para que tanto os vascaínos quanto aqueles que nos humilharam e ridicularizaram não se esqueçam o quanto nos fizemos gigante. Em segundo, para que sejam sempre reconhecidas as glórias e os méritos dos homens - jogadores e dirigentes - que muito lutaram para a grandeza do Vasco. Acima de tudo, é preciso lembrar sempre, para que não se esqueça nunca.

Os vascaínos, com muita luta, sangue, suor e lágrimas construíram para a instituição e para o benefício do esporte brasileiro como um todo, o então maior estádio da América do Sul. Com essa atitude, os homens do Vasco deram uma resposta a todas as ofensas e àqueles que questionavam a força e a capacidade deste clube, constituído na sua essência por homens trabalhadores e honestos. Assim, o Estádio Vasco da Gama, popularmente conhecido como Estádio de São Januário, foi inaugurado em 21 de abril de 1927.
 

Neste local sagrado para os vascaínos, podem-se vivenciar vários acontecimentos que entraram para a história do país. São Januário foi palco da do anúncio das primeiras leis trabalhistas brasileiras, ditadas pelo presidente Getúlio Vargas, em plena Tribuna de Honra. O estádio serviu como espaço para desfile das escolas de samba, em que se viu a Portela conquistar o campeonato de 1945. O famoso maestro Heitor Villa-Lobos regeu corais orfeônicos com mais de 40 mil vozes. Além disso, na "casa dos vascaínos" foram promovidos diversos shows e eventos musicais, festas típicas, eventos religiosos, dentre outros.
 

Como demonstração de zelo por parte da instituição para com a formação física e moral de jovens e crianças, o Vasco dispõe de uma escola em sua sede administrativa que serve aos seus atletas. O clube, para além de procurar fazer de crianças e jovens um esportista, preocupa-se em formar atletas-cidadãos. O Colégio Vasco da Gama foi inaugurado em 08 de março de 2004. Desde então, o clube mantém integralmente o Colégio e todas as suas despesas, como fornecimento de uniforme, de material didático e de alimentação. (ver: http://www.vasco.com.br/site/conteudo/detalhe/8).
 

Dentro do âmbito esporte, ainda podemos citar que o Vasco foi o primeiro campeão de um título continental, ao conquistar o I Campeonato Sul-Americano de Clubes Campeões (1948 - Invicto). A este somou-se o segundo, a Taça Libertadores da América (1998). O Vasco tornou-se o primeiro campeão carioca do Maracanã (1950). Conquistou 23 vezes o campeonato carioca e dentro destas conquistas cinco foram de forma invicta (1924, 1945, 1947, 1949 e 1992). Como esquecer a "Virada do Século" na final da Copa Mercosul de 2000 (ver: http://www.vasco.com.br/site//detalhe/181).

Poderíamos nos prolongar em citações contínuas das ações e glórias vascaínas, o que seria prazeroso, porém, ultrapassaria o propósito deste texto. Dentre as infindáveis temáticas ao tratarmos da história do Vasco, optamos por relembrar as origens mais humildes do nosso amado clube, gerado nas águas e nos armazéns cariocas. Falaremos sobre o esporte fundador do Vasco, o remo.
 

Guardamos para o mês de novembro um novo texto, desta vez, trabalhando sobre o futebol, em comemoração ao centenário da institucionalização desta prática no clube. Objetivamos com esse texto trazer para o sócio e torcedor vascaíno fatos da história do clube que não eram do conhecimento de muitos e que acabam por contribuírem ainda mais para demonstrar a grandeza do nome Vasco da Gama. Gostaríamos de esclarecer que além desses dois esportes (remo e futebol), as glórias, títulos e vitórias se acumularam em muitos outros, que ao fim e ao cabo contribuíram para o gigantismo do Vasco. Este Vasco que a todos nós apaixona e que nos leva a segui-lo para todos os cantos, mares, praias, campos e quadras.A fundação do Vasco
 

O Brasil vivenciava no final do século XIX um conjunto de mudanças que reorganizaram a sua estrutura política e econômica. O fim da escravidão, em 13 de maio de 1888, e a Proclamação da República, em 15 de novembro de 1889, trouxeram ares de mudança para o país. Com o advento da República buscou-se melhor inserir o Brasil no cenário internacional, consequentemente, observou-se a necessidade de modernizar a capital Rio de Janeiro e adequá-la aos padrões estéticos das grandes metrópoles europeias, marcadamente inspiradas em Londres e Paris. Estratégia esta que só viria ser melhor concretizada com as reformas urbanas do prefeito Pereira Passos, já no século XX.
 

Novos hábitos iam sendo adquiridos e dentre eles uma nova estética corporal começava a ganhar as ruas cariocas. Um novo modelo de homem passa a ser gerado com o avanço da modernidade sobre a cidade. Os médicos e arquitetos ("cientistas") defendiam a valorização de um típico físico condicionado aos novos padrões de higiene e saúde. Nesse contexto, a prática esportiva do remo adequava-se perfeitamente aos padrões de modernidade que se espraiavam pela cidade.
 

O remo passa a ser visto como o esporte moderno, ligado ao urbano, prática de uma burguesia ascendente. Por outro lado, o turfe, que havia se organizado anteriormente e sido pioneiro na estruturação do campo esportivo do Rio, guardava um ar mais aristocrático, relacionado ao rural. Outrossim, no remo, o protagonismo cabia ao homem, que deveria com as próprias forças e músculos vencer o mar e seu oponente. Enquanto isso, no turfe, os jóqueis franzinos eram coadjuvantes em relação aos cavalos, verdadeiros "donos" do espetáculo.
 

Os primeiros passos para a institucionalização remo foram dados na cidade vizinha, Niterói, com os Mareantes (1851). No Rio de Janeiro, no ano de 1862 surgiram o grupo Regata e o British Rowing Club, por influência de imigrantes ingleses na cidade. Em 1967 é fundado o Club de Regatas, mas, o grande marco para o impulso do remo no Rio de Janeiro foi dado com a criação do Club Guanabarense, no ano de 1874. Depois vieram Grupo de Botafogo (1878), o Club de Regatas Cajuense (1885), Club Náutico Saldanha da Gama (Niterói-1876) e Club de Regatas Internacional (1887).
 

Entre as décadas de 1880 e 1890 as regatas tornaram-se constantes, entretanto, as associações não possuíam o controle total da prática, permitindo-se que não-membros tornassem parte dos eventos. No intuito de estabelecer uma uniformização da prática, os clubes adotaram como justificativa a assaz necessidade de se combater as apostas, que se popularizaram simultaneamente ao crescimento do público que acompanhava as regatas.
 

Na última década do século, os clubes de remos vão se proliferando, constituindo o ambiente favorável para a criação da União de Regatas Fluminense (1897), instituição destinada a organizar o campeonato da cidade do Rio de Janeiro. Neste período surgiram o Union de Conotiers (Sociedade dos Franceses, 1892), Club de Regatas Fluminense (1892), Club de Regatas Paquetaense (1892), Club de Regatas Botafogo (1894), Grupo de Regatas do Flamengo (1895), Grupo de Regatas Praia Vermelha (1896), Club de Natação e Regatas (1896), Club de Regatas Boqueirão do Passeio (1897), Club de Regatas do Caju (1897), Club de Regatas Guanabara (1899) e o Club de Regatas de São Christovão (1899).
 

A "febre do remo" vai ganhando a cidade:

"O Remo, começou então a ser conhecido e a descêr do seu retiro em Botafogo para a cidade [...] começou a fallar-se num novo clube, no centro comercial"(FREITAS, José Lopes de, 1945, s.p.)

Às portas do limiar do século XX, impulsionados pelos ares da modernidade, pelo desejo de praticarem um esporte símbolo dos novos tempos, homens ligados à chamada classe caixeiral, que na sua maioria trabalhavam no comércio do centro da cidade, decidiram criar um novo clube para a prática do remo, eis que surge o Club de Regatas Vasco da Gama.
 

"Henrique Monteiro era o maioral dessa ideia e encontrou semelhante companheiros em Luiz Rodrigues Teixeira de Sousa, Avellar Rodrigues e Lopes de Freitas que traçaram logo o caminho a seguir avante e aos quaes se juntaram com o mesmo entusiasmo Leonel Borba, Carlos Rodrigues, João Campos, Francisco Alberto da Silva, Manoel Lixa, Frazão Salgueiro, Antonio Fernando Seixas [...] que fizeram tão intensa propaganda, que em pouco tempo a ideia era vencêdora [...] O desejo desses rapazes tornou-se realidade em pouco tempo. A propaganda feita nos meios comerciaes deu excellentes resultados [...] Nos botequins, nos barbeiros e até no mercado do caffé, não se fallava n'outra coisa. A fundação de um novo Club de Regatas, que se chamaria Vasco da Gama..."(FREITAS, José Lopes de, 1945, s.p.).
 

José Lopes de Freitas, popularmente conhecido como Zé (ou José) da Praia, um dos fundadores do Clube e, posteriormente, cronista do Jornal do Commercio, esclarece que o Vasco surge da confluência dos desejos de homens e jovens rapazes que trabalhavam no comércio do centro do Rio de Janeiro, como funcionários ou proprietários, para a formação de um clube no qual pudessem congregar os seus ideais.
 

A despeito da importância de homens como Henrique Ferreira Monteiro, Luís Antônio Rodrigues, José Alexandre d'Avelar Rodrigues, Manuel Teixeira de Souza Júnior e o próprio José Lopes de Freitas, por incentivarem e aglutinarem um grupo de pessoas em prol da ideia da fundação do clube, é preciso ter em mente que o Vasco nasce através do anseio de vários homens por uma instituição que congregasse brasileiros e portugueses. Talvez, muitos outros homens além desses citados por toda uma tradição literária vascaína, tenham contribuído de igual monta à fundação do Vasco, mas, por questões de escassez de fontes, historicamente não sejam lembrados.
 

As comemorações do IV Centenário da Descoberta do Caminho Marítimo para as Índias influenciaram no nome da nova instituição náutica e nos seus símbolos, principalmente, o maior deles, a cruz que os fundadores do Clube deram ao Vasco, inspirada naquela presente nas naus portuguesas no período das Grandes Navegações. De acordo com Freitas:

"O nome e symbolo, nasceu pode-se dizer d'um feliz acaso. Por esse tempo tinha-se festejado pomposamente no Rio de janeiro o Quarto Centenário da descoberta do caminho marítimo das Índias por Vasco da Gama. E por toda a parte aparecia, nas festas, nos cortejos, nas revistas e jornaes ao lado do nome do grande navegante a Cruz de Christo usadas nas Caravellas (a que nos acustumanos a chamar de Malta [...] Dahi o nome e symbolo, aceito entusiasticamente por todos, podendo dizer-se que já tinha nome, antes de vir ao mundo!"(José Lopes de Freitas, 1945, s.p.).
 

Concomitante aos anseios desses rapazes do Centro do Rio, soube-se que pela região do bairro da Saúde um grupo chefiado pelos irmãos Couto - Francisco (que viria a ser o primeiro Presidente), Antonio, Adolpho, Alfredo e José -, com João Amaral, Marciano Rosas e Dr. Henrique Lagden possuíam o mesmo propósito, qual seja, fundar um clube de regatas. Eis que através do intermédio de Henrique Monteiro, houve a união dos interesses de todos, possibilitando a fundação de um único clube.
 

Após algumas reuniões preliminares, em 21 de agosto de 1898, na Rua da Saúde n.º 293 (atual n.º 345 da rua Sacadura Cabral), é fundado o CLUB DE REGATAS VASCO DA GAMA! Nesta primeira reunião, elegeu-se a diretoria e Francisco Gonçalves Couto Junior foi eleito presidente. Todavia, o número total de sócios fundadores não estava presente. Foram 62 os sócios fundadores que estiveram reunidos na Assembeia Geral que fundou o clube, mas, como a própria Ata de Fundação nos diz, entre os próprios eleitos: "alguns d'elles achavam-se ausentes". (Para mais informações a respeito do local de fundação do clube, ver: http://www.memoriavascaina.com/2014/01/rua-da-saude-n-293-o-vasco-nasceu-para.html)
 

Sem perder muito tempo, os vascaínos iniciaram a vida administrativa do novo clube. Definiu-se uma sede provisória, alugaram para este fim um sobrado na antiga Rua da Saúde n.º 127 (atual n.º 167 da rua Sacadura Cabral), em frente Largo da Imperatriz. Enquanto isso, preparavam a sede definitiva, na Praia Formosa, localizada na Ilha das Moças, onde o clube se instalou em novembro de 1898 (ver: http://www.memoriavascaina.com/2014/01/a-primeira-sede-do-vasco-rua-da-saude-n.html).
 

Em sua sede provisória, uma das iniciativas pioneiras do Vasco, tendo a frente José Lopes de Freitas, foi a montagem da primeira escola para a prática do remo na cidade do Rio de Janeiro. Os sócios vascaínos tinham aulas noturnas e muitos deles davam os passos iniciais no sport.
 

"Foi ali também que se organizou a primeira Escola de Remo dirigida pelos dois Freitas, o José Lopes e o João Cândido. Tôdas as noites das sete as dez (dezenove e vinte e duas) davam eles aulas práticas no "VAGAROSO", bote alugado e armado a quatro remos com palamenta, e, na "IARA" cedido por João Amaral, barquito de quatro metros de comprimento, armado com quatro remos de voga com pretensões a baleeira." (FREITAS apud ROCHA, 1975, p. 17).
 

Essa iniciativa do Vasco, de certa forma, permitia o acesso das camadas populares à prática do remo, haja vista que muitos de seus associados eram funcionários do comércio do centro do Rio. Através do controle da União de Regatas Fluminense, o acesso à prática das regatas passou a ser restrito aos clubes, muitos dos quais possuíam estatutos restritivos ao acesso das camadas populares.
 

As esses rapazes inicialmente se faziam representar entre competidores não filiados ou, principalmente, entre o público que acompanhava as regatas, que crescia cada vez mais. Além disso estavam entre os apostadores combatidos pela União. Ao abrir-se para os funcionários do comércio, muito deles oriundos das camadas mais desprivilegiadas da sociedade carioca, o Vasco escapava da tendência elitista do remo. Essa aproximação do Clube com as camadas populares seria ainda mais forte com o advento do futebol na instituição.
 

As elites, no intuito de constituir a prática do remo como símbolo de status e distinção social, buscavam se destacar e criar espaços específicos e privilegiados para acompanhar as competições de remo. Assim, eram montadas arquibancadas com espaços destinados à "fina flor carioca", deixada separada do povo que fazia esse sport crescer. Nesse contexto, foi fundado o Pavilhão de Regatas (1904), na Praia de Botafogo. A obra, bastante famosa à época, foi financiada pela Prefeitura do Rio e fez parte das reformas urbanas empreendidas por Pereira Passos.
 

No dia 28 de agosto de 1898, reunidos na sede do Club Recreativo Estudantina Arcas Comercial, foi empossada a primeira diretoria e eleita a comissão para elaboração do primeiro estatuto. O primeiro uniforme foi aprovado em reunião de diretoria (Atas da Diretoria Administrativa, 06 de setembro de 1898).
 

Todavia, com a aprovação do estatuto em Assembleia Geral de 10 de setembro de 1898, baseando-nos na documentação enviada para União de Regatas Fluminense, houve alteração na camisa e ficou definida com a Cruz sobre o peito, não mais metade sobre o preto e metade sobre o branco. Posteriormente, haveria uma nova mudança, no contexto das reformas pós-cisão de 1899. Melhores informações na matéria "Os 116 anos da criação do principal uniforme do Vasco": http://www.vasco.com.br/site/noticia/detalhe/11061/os-116-anos-da-criacao-do-principal-uniforme-do-vasco.
 

Em 03 de novembro de 1898, como parte da documentação enviada à União de Regatas Fluminense para a filiação, o clube demonstra a sua precoce pujança e envia o nome dos seus 187 fundadores. O Vasco nasceu com o destino de ser um gigante do esporte brasileiro. (Documentos da primeira filiação, 03 de novembro de 1898).
 

Os primeiros barcos vascaínos foram a Zoca (canoa a quatro remos de voga), a Vaidosa (baleeira a quatro remos de voga) e a Volúvel (baleeira a seis remos de voga). A empolgação dos vascaínos fundadores com o início das atividades náuticas do Clube é assim descrita por Freitas (1945, s.p.):
 

"E como já havia um grupo de remadores, não perfeitos ainda, mas cheios de bôa vontade, foram-se organizando conjuntos, para as tripular. E pela Guanabara, começaram a apparecer, reunidas do fundo da Bahia remadas, umas certas e outras ... "pêanada" (guarnição que remava desacertada) novas embarcações, novos uniformes, novas flamulas! Era o Vasco, o Vasco que ahi está hoje!"

Necessitando organizar-se melhor após o seu nascedouro, o Vasco começou a competir no ano seguinte, em 1899. Como demonstração de sua força, logo em seu ano de estreia veio a primeira vitória em provas, com a Volúvel, no primeiro páreo e ainda um segundo lugar com a Victória (recém-incorporada), uma baleeira a quatro remos. Embora a prova não valesse para o campeonato, chamou a atenção de todos o feito dos vascaínos:
 

"O Vasco inscreveu-se em canoas a 4 com Zoca (que não correu), em baleeiras 4 com a Victoria e a Vaidosa e em baleeiras a seis com a Voluvel, sendo premiados os seus esforços, com a victoria da Voluvel em 1.º lugar e aVictoria em 2º lugar, o que na epocha foi considerado um grande feito, não só competindo com gente já bem treinada e conhecedora dos segredos do remo. E ainda porque alguns clubes competidores, por la andavam a mais tempo sem serem trapejados pela victoria".
 

Os anos se passaram e as conquistas do Vasco foram se acumulando. Em 1904, vieram os dois primeiros troféus, a Prova Clássica Sul-América e a Prova Clássica Jardim Botânico. Logo após os seus primeiros anos de fundação, o clube tornou-se bicampeão de remo da cidade em 1905 e 1906, demonstrando a sua grandeza e realizando um feito que outros clubes mais antigos não haviam conseguido.
 

Um grandioso tricampeonato em 1912, 1913 e 1914 veio consolidar o Vasco como o maior clube náutico do Rio de Janeiro e um gigante do remo no Brasil. Nessa época, a ginástica e o tiro já eram praticados pelos sócios vascaínos. Outrossim, acompanhando uma tendência que se espalhava pela cidade, crescia cada vez mais a influência do futebol entre o quadro associativo vascaíno e muitos sócios começavam a solicitar inserção desta prática no clube, fato que viria a ser consumado a partir de 26 de novembro de 1915.

As vitórias no esporte náutico seguiram correntes constantes. Na contemporaneidade, o clube tem orgulho de ostentar seu pavilhão centenário pelas águas cariocas. Dentre os títulos e conquistas de regatas, podemos citar:

- 46 títulos cariocas de remo (masculino), sendo o único a conquistar 16 vezes seguidas o título (1944-1959):

1905, 1906, 1912, 1913, 1914, 1919, 1921, 1924, 1927, 1928, 1929, 1930, 1931, 1932, 1934, 1935, 1936, 1937, 1938, 1939, 1944, 1945, 1946, 1947, 1948, 1949, 1950, 1951, 1952, 1953, 1954, 1955, 1956, 1957, 1958, 1959, 1961, 1970, 1982, 1998, 1999, 2000, 2001, 2002, 2005 e 2008

- Campeonato Brasileiro Masculino (1987, 1998, 1999, 2000, 2001, 2002, 2007, 2008 e 2009)

- Campeonato Brasileiro Feminino (2005 e 2007)

- Troféu Brasil de Remo (1987, 1998, 2000, 2001,2002, 2007, 2008 e 2009)

- Troféu Brasil Unificado: (2007, 2008, 2009).

Glória eterna ao Gigante vascaíno, que nasceu no mar e fez-se grandioso na terra com a luta de todos.

Como diz um antigo dito vascaíno:

"O Vasco é um clube rico de adeptos trabalhadores e dedicados"

VASCO!!





Vice-Presidência do Departamento de Relações Especializadas

Divisão Centro de Memória

Equipe:

Denis Antonio Carrega Dias (Vice-Presidente do Departamento de Relações Especializadas)

Henrique Hübner (Diretor)

Raphael Milenas (Diretor)

Walmer Peres Santana (Historiador

Fonte: Vasco.com.br  

 

fale conosco

fazendo a festa

História de Torcedor


últimas notícias


ler todas as notícias

facebook